O que você está procurando?

domingo, 31 de março de 2013

Parcerias - Elton SDL


Hoje vamos apresentar um de nossos parceiros, o escritor Elton SDL, autor do livro Mentalmorfose.

Nascido no estado de Alagoas, Elton conquistou o 1º lugar no Concurso de Poesia Graciliano Ramos, o 3º lugar no Concurso Prosa e Verso, promovido pela Academia Palmeirense de Letras, Ciência e Arte e desenvolveu o projeto de pesquisa A Influência da Literatura Fantástica na Formação da Personalidade (fiquei super curiosa), apresentado no III Encontro de Iniciação Científica no Instituto Federal de Alagoas.
Um currículo e tanto, não?

Atualmente ele estuda Letras no IFAL (Instituto Federal de Alagoas) e Psicologia na UFAL (Universidade Federal de Alagoas). 

Mas vamos falar um pouquinho da obra?



Protestos anárquicos, palavras sublimes de amor, observações contemplativas e filosóficas, versos duros e lúcidos, epifanias surreais – eis a matéria prima em essência ambígua que compõe essa obra, extraída da mente do jovem poeta Elton Silva de Lima. A cada estrofe lida, sejam acompanhadas da melodia vibrante das rimas vigorosas, ou da aleatoriedade dos versos brancos, acompanhamos a (des)construção e transformação mental do eu - lírico – que é o processo de mutação evolutiva e regressão inerente a todo e qualquer ser humano. Ora libertos do casulo, ora ainda dentro dele, planando nas páginas de Mentalmorfose executamos o voo que só se faz possível através das asas da poesia.

Para entender mais de Mentalmorfose, foi feita uma pequena entrevista com nosso parceiro>>

*Quando e como surgiu a ideia de escrever um livro?
Desde a minha mais remota infância que escrevo, mesmo quando ainda eu não sabia escrever. Criava histórias em minha mente a todo momento, com o passar do tempo até passei a rabiscá-las em forma de desenhos. Registrar minhas ideias, minhas criações sempre foi vital, visceral. Não consigo pensar a realidade (tanto a que vivemos quanto a inventada) e não querer falar sobre ela, ou melhor: escrever sobre ela. É na escrita que me realizo, é meu momento de plenitude. Uma vez que existo, escrevo para viver. O que mais deriva disso é mera consequência. 

*Mentalmorfose se trata de uma obra de poemas, certo? Como foi o processo e quanto tempo levou para escrevê-la?
Sim. Mentalmorfose reúne cerca de 50 poemas dos mais diversos que escrevi no percurso da infância-adolescência-vida adulta.
Falar a respeito de um processo de composição acerca dessa obra é algo estranho, uma vez que não houve um método específico, cartesianamente planejado para tal. A poesia sempre foi algo muito espontâneo, que desabrocha em mim sem pedir pra ser regada. Se faz, simplesmente. E depois a faço. Sou assaltado pela poesia a quase todo momento, não me surpreendo se, daqui a pouco mesmo, um poema pousar assoviando em meu ouvido. Tudo que faço é transcrever, no fim das contas. 
No caso de Mentalmorfose isso é muito evidente, pois os poemas datam de diversas épocas e contextos distintos. Há versos que escrevi com 8 ou 10 anos, outros compus com 15, 18... outros, mais recentes. É uma verdadeira salada de mim. Portanto, não houve uma linha cronológica homogênea de trabalho. Reuni esses textos avulsos dos quais falei com alguns de autoria  mais nova e fiz esse compêndio. 

*Qual você diria ser o tema principal da publicação?
Não há um tema específico em minha obra, embora acredite que, toda e qualquer obra literária - ouso dizer, "toda obra de arte", até - independendo do gênero no qual se manifesta, ou do estilo do autor, no fundo fala sempre sobre uma mesma coisa: o ser humano. Então, se preferir, podemos dizer que Mentalmorfose fala sobre o ser humano. Ou ainda, podemos dizer que seu tema principal é poesia. De tudo o leitor irá vislumbrar em meu livro: amor, dor, sociedade, filosofia, experimentalismo, literatura, sonho, realidade... tudo isso em manifestações textuais diversas. E é aí que reside a beleza da poesia, na multiplicidade de suas aberturas.

*Qual mensagem que você deixaria para quem ainda não leu o livro?
Aos amantes (ou não) de poesia, convido-os a conhecer a minha. Invito-os a assistir, em forma de versos diversos, minha Mentalmorfose - que, quiçá, seja também a sua.

Desde que fiquei sabendo da publicação (e foi bem no comecinho ;D) me interessei e muito.
Sou grande fan de poesia, e já andei dando umas olhadas em alguns trechos do livro. É incrível!
Mesmo para quem prefere textos em prosa, é uma viagem e tanto. Os versos são lindoooooos.

Mas para quem mesmo assim, não se aventura na poesia, nosso escritor já tem mais uma obra finalizada. Esta trata-se do livro de contos Vozes na Madrugada (ameei o nome), que está esperando apenas ser publicada. Os temas são bem intensos (digamos assim), e mal posso esperar para ler todos. Alguns já estão disponibilizados no blog (que vou deixar no fim do post), e logo venho fazer algum tipo de resenho sobre um deles.

Só uma noção de como são os contos:

1º - BLACKHILLS
Depois de uma inesperada enchente, a cidadezinha de Blackhills foi quase totalmente devastada. Algo veio com a chuva. E algo levou a população embora. Após esse dia, ninguém - absolutamente ninguém - vai a Blackhills e volta para contar história. Até que Mark Johnson chega. Ele foi à Blackhills, voltou com vida. E sabe o que há lá.

E então, é isso aí.
Quem quiser conhecer mais a fundo o trabalho do Elton, entrar em contato ou ler os contos que já foram revelados, aqui estão os links mais importantes.

BLOG do autor
SITE do livro

Não deixando de agradecer, claro, à colaboração dele para com a minha pessoa (que enche o saco, para falar a verdade). Muuito obrigada pela atenção, narniano
Te desejo um sucesso estrondoso!!! 
==E espero a próxima publicação ^.^


2 comentários:

  1. Eu não conhecia o autor mas me interessei muito por Mentalmorfose. Não apenas pelo nome ser super legal, como também por eu amar poesia. Até escrevo alguma de vez em quando, haha.
    Ah! Não posso esquecer de falar que amei o novo nome do blog, né, Rafa? Parabéns por seu ótimo trabalho.
    Beijos,

    Letícia
    www.odomdaescrita.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada, Lê.
      Quando escutei o nome do livro pela primeira vez, também fiquei mega curiosa.
      Essa capa também me encanta!
      Aah, e O Dom da Escrita fica cada vez mais fofo, hein?
      bjk,
      Rafa.

      Excluir