O que você está procurando?

quinta-feira, 13 de junho de 2013

Quatro por Quatro - Delírios Consumistas Sobre Rodas






Sabe aquele momento durante um livro quando o meio de transporte do personagem é descrito? Aquele em que você começa a babar pela máquina que está em posse dele e faria de tudo só para dar uma voltinha? Bem, se não, já existem provas de que eu não sou normal, por que isso sempre acontece comigo. 
E é incrível como essas pequenas coisinhas fazem a diferença no enredo de uma obra. São com eles que o mocinho salva a protagonista indefesa (ou a atropela, às vezes), foge de um vilão super macabro (que, geralmente, ter um veículo ainda mais invejável) ou simplesmente assusta pessoas indefesas que caminham pela rua. O fato é: qual boa aventura não tem um motorzinho básico para acelerar a história? É sobre isso que o Quatro por Quatro de hoje irá tratar. 
Os momentos em que, mais do que nunca, eu queria já ter minha habilitação. 


Ps.: Lembrem-se de que isto não é algo do tipo 'Top 10', com os melhores ou meus favoritos. É simplesmente uma seleção. Sem ordem de preferência.
Aah, e claro, todas as obras mencionadas tem resenha no blog. Se quiserem saber mais sobre alguma delas é só digitar na caixinha de pesquisa o nome do livro. E clicar em PESQUISAR, óbvio.



McLaren SLR 722 Roadster, da Kelsey 
Série A Maldição do Tigre, Colleen Houck


"_E que tipo de carro o Senhor decidiu que eu preciso desta vez?
_Nada de mais, de verdade. Só um veículo para levá-la daqui para ali.
_Qual é o carro?
_Um McLaren SLR 722 Roadster.
_É muito grande?
_É um conversível
_Cabe um tigre nele?
_Não. Só tem lugar para dois, mas os garotos agora são humanos pela metade do dia.
_Custa mais que 30 mil dólares?
Ele se remexeu e tentou se esquivar.
_Sim, mas...
_Quanto mais?
_Muito mais.
_Mais quanto?
_Uns 400 mil a mais."


A série do Tigre poderia, facilmente, ser o livro propagando de uma Concessionária para Milionários. Sério mesmo, nunca vi tanto carro chique junto. E, entre tantos sonhos de consumo, escolhi aquele que é dado para Kelsey pelo Sr. Kadam em seu aniversário de 19 anos. O presente é dado em um momento turbulento da história e passará (beem indiretamente) por coisas bem confusas. Ele volta no fim do drama (acho que é ele, ao menos) para fechar com chave de ouro o acontecimento que eu não vou contar qual é. Não tenho certeza se a McLaren é realmente prata, são carros demais pra lembrar a descrição completa de todos. Mas, enfim, na minha opinião esta belezinha tem um cantinho especial na série.


Ducati Monster S4, do ''Motoqueiro Misterioso'' 
Julieta, Anne Fortier


"Nesse momento, em meio à diversão geral, alguma coisa do lado de fora chamou minha atenção. Era uma motocicleta preta e seu piloto, também de preto, com uma viseira fechada , que deu uma parada rápida para olhar pela porta de vidro antes de disparar roncando e desaparecer.
_Ducati Monster S4 - recitou o garçom, como se houvesse decorado o anúncio de uma revista - , uma verdadeira guerreira. Motor com refrigeração líquida. Ela faz os homens sonharem com sangue e eles acordam transpirando e tentam agarrá-la. Mas ela não tem alças de apoio. Portanto... - ele deu um tapinha digestivo na barriga - não convide uma garota a subir na garupa se você não tiver um sistema de freio ABS contra o consumo de cerveja."

Tudo bem, estamos falando de um livro que se refere à Romeu e Julieta, uma obra clássica, e uma motocicleta dessas aparece? Por isso que eu amo tanto essa história!
O aparecimento da Ducati é uma surpresa. Aparece para perturbar ainda mais a protagonista e terá um papel mega importante. Não, não digo o motoqueiro (mas sim, ele é muuito importante, ainda mais depois que você descobre qual a identidade dele), mas a Monster mesmo. Ela poderá transformar sua personalidade, e de repente deixar de perseguir as pessoas e... Fazer algo bom. 
É nas cenas onde a Ducati Monster aparece que a aventura chega ao seu auge (existe uma exceção, mas está tudo correlacionado). Então, eu considero esta motoquinha básica uma personagem viva. Com sentimentos e tudo mais. Por que, sinceramente, ela faz bastante diferença.



SUV BMW, do Vincent 
Cores de Outono, Keila Gon


''Um vulto preto chamou minha atenção, eu olhei para frente e encarei o carro grande que acelerava na minha direção. A SUV da BMW parecia ter brotado do muro verde no fim da rua e já estava a poucos metros... acelerando. Com um rápido cálculo mental avaliei sua velocidade e a largura do espaço disponível na rua. Em um segundo o óbvio se tornou fato, a SUV nervosa ia passar por cima de mim. Precisava sair dali.
(...)
Também não senti o vento de sua velocidade... ao invés disso, senti algo gelado escorrer pela lateral do meu corpo. Girei a cabeça e vislumbrei o jato de lama jorrando dos enormes pneus traseiros. A SUV homicida já havia passado por mim, mas.... como?''

Na própria resenha de Cores de Outono acho que deixei bem clara minha admiração pelas cenas que envolviam a BMW. Muitas revelações e acontecimentos importantes se passaram em seus bancos lindos de BMW. E você fica sem ar quando aceleram a BMW. E no começo da história ela parece ter uma "sede de sangue", a BMW. E é um meio bem interessante de você saber o que vai acontecer, antes mesmo de acontecer. E acho que isso já está ficando sem sentido. O importante é: É UMA BMW! Tá, pera, tô exagerando. Este automóvel também tem um papel de extrema importante na história, aonde ele participa ativamente e maravilhosamente. 



A Biblioteca Itinerante de Marcus 
O Livro do Amanhã, Cecilia Ahern



''Olhei ao redor, nem uma alma por perto, e nisso incluo mamãe. O bangalô também parecia morto. Sem nada a perder, subi e, ao fazê-lo, Marcus cantou 'Crianças', na voz da personagem 'Ladrão de Crianças', do musical O Calhambeque Mágico. Também ri.
Dentro, centenas de livros enfileiravam-se nas duas laterais. Dividiam-se em várias categorias e eu corri o dedo pelas lombadas, sem ler os títulos, meios esperta por estar no ônibus com um estranho.''

O que falar? Esta, aí em cima, é uma Biblioteca ambulante. Me diga qual leitor não ficaria caindo de amores por ela. Certo, estas imagens não exemplificam muito bem o ônibus descrito no livro, mas o problema é que realmente não achei nenhuma descrição concreta o suficiente para gerar uma boa imagem mental. 
É na Biblioteca Itinerante que a personagem principal encontra o Livro do Amanhã (que dá nome à obra), e é exatamente lá que ela conhecerá Marcus (não, eles não formam um casalzinho bonitinho), e que tentará "fugir" da sua realidade. Está claro que a função do ônibus no enredo é de uma importante imensa, quem lê entende, mas não é exatamente o ônibus que está na seleção. Quero dizer, é um ÔNIBUS ABARROTADO DE LIVROS! Existo delírio consumista maior que este? Não importa se não é capaz de apostar uma corridinha, dar uns rococós no meio da rua ou chegar a mais de 120 Km/h. Ele pode até ficar parado. Veja bem o que tem dentro dele!



Bem, esta foi a pequena seleção da vez.
Espero que tenha agradado. 
Se alguém tiver alguma lembrança de outra máquina como estas que apareceu em um livro, fique à vontade. 

6 comentários:

  1. Oi Rafa! Ameei! Na verdade, eu nunca tinha prestado muita atenção no meio de transporte dos personagens literários, mas agora prometo prestar, hehe.
    Mas que a verdade seja dita: ter aqueles galãs lindos e que ainda tem um carro super bonito é ótimo, rs.
    Mas o que mais gostei mesmo foi a biblioteca itinerante *--*
    Beijos,

    Letícia
    http://www.odomdaescrita.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sempre presto bastante atenção, Lê. É mais forte que eu. kk
      Mas enfim, também amo a biblioteca... Apesar de também babar pela Ducati... E pela BMW.. e a McLaren... rsrs
      bjk

      Excluir
  2. Oi, tudo bom? Espero que sim.

    Primeiro devo dizer que adorei seu blog, sério. Muito legal mesmo. É sempre bom conhecer blogueiros e ler coisas tão legais. Continue assim, ok? Estou seguindo e sempre que der passarei por aqui. Gostei mesmo!

    Sobre o post, só tenho uma coisa pra falar: adorei.

    Ah, também tenho um blog literário. Passa por lá depois. Quem sabe você não gosta do meu espaço? Ficaria agradecido, é claro!

    Deixo o link: http://www.diariodebordodeumleitor.com/

    Um abração,
    Igor Gouveia.

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho vontade de dar uma voltinha na Coração de Ouro, do Mochileiro das Galáxias hahaha

    fantasiandocomoslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oops,
      tô com a coleção do Mochileiro das Galáxias me esperando na estante...
      Ainda não conheço essa Coração de Ouro, mas pelo nome já amei! kkk
      bjk

      Excluir
  4. amei o blog com efeito sonoro e tudo d+!!

    ResponderExcluir