O que você está procurando?

domingo, 28 de julho de 2013

Julieta Imortal - Stacey Jay



"Sim, aquela Julieta. Aquele Romeu."


Sinopse:
Julieta Capuleto não tirou a própria vida. Ela foi assassinada pela pessoa em quem mais confiava, seu marido, Romeu Montecchio, que fez o sacrifício para assegurar sua imortalidade. Mas Romeu não imaginou que Julieta também teria vida eterna e se tornaria uma agente dos Embaixadores da Luz. Por setecentos anos, Julieta lutou para preservar o amor e as vidas de inocentes, enquanto Romeu tinha por fim destruir o coração humano. Mas agora que Julieta encontrou seu amor proibido, Romeu fará tudo que estiver ao seu alcance para destruir a felicidade dela.Segredos, mistérios e surpresas envolvem este poderoso romance em que o casal mais famoso da literatura mundial tem a chance de contar sua verdadeira história.

"Eu não sou Ariel Dragland. Meu nome é Julieta e passei séculos entrando e saindo do corpo de pessoas diferentes, lutando pelo amor, tentando salvar almas gêmeas de Romeu, o homem que me matou. Sim, aquela Julieta. Aquele Romeu. [...] E eu estou apenas tomando este corpo emprestado por algum tempo."






Sempre levei como uma espécie de regra que o que interessa em um livro é seu conteúdo. Quero dizer, nunca me preocupei muito com 1ª ou 3ª pessoa, velocidade dos acontecimentos, número de páginas, diagramação e afins. O importante é uma boa história, não é?

Mas pela primeira vez, quando lendo Julieta Imortal, não gostei ou deixei de gostar do livro pelo enredo. Sim, a proposta é muito interessante (foi o que me fez começar a ler, afinal), mas sinceramente não gostei nem um pouquinho da escrita. Razões:

*O texto é no presente, não no passado. Explicando, ao invés de escrever "Minha cabeça bateu na janela, com força. Senti pontadas de dor no fundo dos meus olhos.", ela escreve "Minha cabeça bate na janela, com força. Sinto pontadas de dor no fundo dos olhos.". E sendo sincera, isso me desagradou no momento em que comecei a ler. Livros narrados no presente, ao menos à meu ver, são cansativos demais. Acredito que verbos no presente são úteis para enfatizar certos acontecimentos, mas 237 páginas, todas assim, me deram bastante dor de cabeça.

*A utilização de figuras de linguagem é abusiva. Por exemplo o assíndeto (ausência de conjunções) e o pleonasmo (intensificação de um termo através de sua repetição). Isso, unido com o tempo utilizado, deixa a narração ainda mais forçada.

*A alma de Julieta, como está dentro do corpo de Ariel, tem seus pensamentos misturados o tempo todo com os de sua hospedeira, ou seja, memórias e opiniões de Julieta se fundem com memórias e opiniões de Ariel. Creio que a autora tenha tentado mostrar isso enquanto escrevia, mudando bruscamente de uma para outra. Você pode ter um parágrafo narrado por Julieta, e o próximo narrado por Ariel. Seria um bom meio de deixar o psicológico de ambas bem à mostra, mas em vários momentos isso acaba ficando confuso. Muitas vezes me perdi, sem saber de quem se tratavam os pensamentos.

*Detalhes que ficariam melhores explicados durante o desenvolver da história, são entregues muito de bandeja. O começo do livro por exemplo, não me pareceu ter sido escrito por uma escritora experiente como Stacey Jay. Pode ser exagero de minha parte, mas notei uma falta de planejamento referindo-se à pequenas particularidades no iniciar do drama.

*Falta de explicação. Enquanto alguns fatos são mais explicados do que deveriam, outros não recebem a devida atenção. Muitas vezes tive que parar para entender a que certo trecho estava se referindo. E não foi só uma vez que não consegui chegar à uma conclusão aceitável.

*A tradução. Talvez minha decepção tivesse sido menor com o texto original. Mesmo sem ter lido nada do livro em inglês, ficam bem óbvios os deslizes na hora de aportuguesar Julieta Imortal. Ao que me pareceu, a tradução foi feita ao pé-da-letra, e isso não deve (não pode, em hipótese alguma) ser feito ao adaptar uma obra para outra língua. É preciso adequar a escrita, dar algumas voltas, acrescentar alguns termos ou preposições para que fique compreensível. E houveram alguns momentos em que pude jurar que o Google que havia traduzido o texto. Uma pessoa com alguns conhecimentos de língua inglesa facilmente identificaria as brechas e conseguiria entender, mas alguém que nunca teve contato com a língua com certeza ficaria perdido em algumas partes.

Chega de reclamar, não é? rsrs

Enfim, juro mesmo que não queria ter visto o livro desta maneira, mas foi inevitável.
Amo adaptações de Romeu e Julieta, e estava esperando algo bem diferente do que encontrei. Mas ainda sim a proposta continuou interessante ao desenvolver do enredo (com os danos causados pela escrita à parte, claro). Os personagens foram bem trabalhados, e gostei deles de verdade. A história (que é o que deveria importar) é bem original, se esquecendo as partes bobinhas e letárgicas.

Durante as cenas principais não existe aquela enrolação dos mega-livros, a coisa vai bem direto ao ponto. Sai de um acontecimento essencial, e cai em outro. O livro tem um tom sombrio de romance, envolve erros, mentiras e arrependimentos irreversíveis.

Sobre o fechamento:
Posso me considerar conservadora em relação aos clássicos. Mude a origem, mude o andamento, mude os personagens, mas por favor, NÃO MUDE O FINAL!
...E mais uma razão para o meu desencanto com Julieta Imortal.

A continuação, Romeu Imortal, já está na estante e logo que possível venho contar qual foi minha impressão. Espero que seja melhor que seu antecessor (o que acho difícil se levando em conta o desfecho deste).

Dados>>
Título: Julieta Imortal
Autor: Stacey Jay
Páginas: 237
Editora: Novo Conceito
Ano: 2011

Avaliação:


Eu queria mesmo ter gostado.
Queria. 
Então digamos que Julieta Imortal tenha sido só legal.

7 comentários:

  1. Não sei. Eu tenho o livro aqui parado e nunca tive vontade de lê-lo (e nem vai ser agora). Adorei os pontos levantados na resenha.

    Abraços,
    Igor Gouveia
    http://www.diariodebordodeumleitor.com/
    (Espero seu comentário lá.)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas não deixe de tentar ao menos chegar na metade, quem sabe você gosta?

      Excluir
  2. Rafa amei sua resenha serio mesmo, agora quero ler tbm para ver esses pontos que foram citados por vc, realmente o livro narrado no presente fica estranho, talvez isso funcione em filmes mas em leitura descaracteriza a história!
    Amiga te espero la no blog!
    bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, obrigada Dani ♥
      Isso do tempo da narração é um caso complicado, né? Não havia me lembrado nos filmes, mas você tem razão, realmente não tem tanto efeito quando você escuta a fala em alguns trechos.
      Passando no blog.. bjk

      Excluir
  3. Parabéns! Uma das melhores resenhas que já vi na blogosfera.
    Parabéns também pelo blog, muito bons os conteúdos abordados aqui.
    Não conhecia o livro, mas confesso que fiquei curiosa, adoro adaptações de Romeu e Julieta também, vou ler quem sabe eu não goste né?
    Só uma coisa não acho legal, mesmo sem ler o livro, não gosto de historias narradas no presente quando elas se fundem com o passado por que fica uma mistura e acaba confundindo o leitor.

    Ah e vi que vc fechou parceria e ate já resenhou um livro da editora Bússola, não li a resenha por que acabei de fechar parceria e não queria perder a curiosidade em ler o livro, mas depois que eu ler e fazer minha resenha volto aqui pra ver a sua!
    Bjs!

    http://detudoumpouco28.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nossa, fico muito feliz que tenha gostado.
      E realmente, como dito, você pode gostar da história, o enredo é bem legal.
      Aah, eu também não leio resenhas de obras que me interessam antes de ler o livro rsrs
      Achei seu blog uma graça' *-*
      bjk

      Excluir
  4. Olá, Rafa. Eu já li o livro Julieta Imortal, duas vezes, e sinceramente, achei seu comentário meio sem nexo. O livro é ótimo, realmente, algumas partes são meio confusas, mas não é de todo ruim. Essa coisa de do presente ir para o passado e voltar para o presente, bom, eu juro que não reconheci essas partes, achei uma leitura gostosa e não é enjoativa, tanto que o livro recebeu quatro corações.
    É uma leitura muito boa, dá para tirar boas conclusões. O livro foi traduzido sim, mas seu comentário de que parece que foi traduzido pelo Google, bom, foi extremamente desnecessário, sou muito boa em inglês e mesmo se não fosse conseguiria entende numa boa. Reveja seu comentário, é um livro que não merece ser criticado dessa maneira.

    Um grande beijo,
    Luh
    http://umapaginaviradaa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir